Livros #81 - O Símbolo Perdido

Título: Símbolo Perdido
Editora: Sextante
Autor: Dan Brown
Nº de páginas: 496
Sinopse: Depois de ter sobrevivido a uma explosão no Vaticano e a uma caçada humana em Paris, Robert Langdon está de volta com seus profundos conhecimentos de simbologia e sua brilhante habilidade para solucionar problemas. Em O símbolo perdido, o célebre professor de Harvard é convidado às pressas por seu amigo e mentor Peter Solomon - eminente maçom e filantropo - a dar uma palestra no Capitólio dos Estados Unidos. Ao chegar lá, descobre que caiu numa armadilha. Não há palestra nenhuma, Solomon está desaparecido e, ao que tudo indica, correndo grande perigo. Mal'akh, o sequestrador, acredita que os fundadores de Washington, a maioria deles mestres maçons, esconderam na cidade um tesouro capaz de dar poderes sobre-humanos a quem o encontrasse. E está convencido de que Langdon é a única pessoa que pode localizá-lo. Vendo que essa é sua única chance de salvar Solomon, o simbologista se lança numa corrida alucinada pelos principais pontos da capital americana: o Capitólio, a Biblioteca do Congresso, a Catedral Nacional e o Centro de Apoio dos Museus Smithsonian.



O Símbolo Perdido é o terceiro romance de Dan Brown em que são narradas as aventuras do simbologista Robert Langdon. Depois de enfrentar aventuras na Cidade do Vaticano e em Paris, o professor universitário é confrontado com enigmas na cidade considerada um reino de teorias conspiratórias e simbolismos maçons, Washington.
Washington, D.C.

Depois de um pedido inesperado de Peter Solomon, Langdon sai de Harvard para dar uma palestra no Capitólio dos Estados Unidos. Peter é um homem de grande influência científica e política, afinal de contas é um maçom de grande importância, mas, acima de tudo, é um mentor e amigo muito querido, e é exatamente por isso que ao se deparar com uma inusitada e perigosa situação Robert fará de tudo para salvar seu velho amigo.

A partir do momento em que o jogo se inicia Robert Langdon tem poucas horas para desvendar um dos maiores mistérios da história: onde está localizado o poderoso saber que promete tornar os seus donos os seres mais iluminados do mundo, os Antigos Mistérios. Este jogo inclui o destino não só de Langdon como também de Solomon, de sua irmã Katherine, do sinistro Mal'akh e até mesmo da segurança nacional.

Brown consegue, mais uma vez, fazer com que uma cidade que já é tão conhecida mundialmente revele-se completamente diferente em frente ao leitor. Sem sombras de dúvida uma nova Washington é exposta em Símbolo Perdido. Mistérios que não estão nem um pouco escondidos nos monumentos mais famosos do mundo e símbolos que representam o inesperado é o que se encontra a cada ponto da capital americana. E é precisamente o que pode levar ao tesouro mais precioso de que se tem notícias.

O romance é recheado ainda de fatos interessantes, desafiadores e, como não poderia deixar de ser, polêmicos, como a sociedade - não tão secreta - maçônica que teve muito mais do que uma simples influência na maior capital das Américas e a nova forma de ciência que, de certa forma, tenta achar um equilíbrio entre religião e ciência, a noética.

Não era nenhum segredo a capital norte-americana ter uma rica história maçônica. A própria pedra angular daquele prédio havia sido assentada por George Washington em pessoa durante um ritual completo de Maçonaria. A cidade fora concebida e projetada por mestres maçons - George Washington, Benjamin Franklin e Pierre L'Enfant -, mentes poderosas que enfeitaram sua nova capital com simbolismo, arquitetura e arte maçônicas.

Os personagens de Brown, como sempre, demonstram uma certa autenticidade própria e uma personalidade já completamente construída. Mal'akh, por exemplo, que é o grande vilão da história é um homem que tem todas as suas crenças firmadas, tanto é que fez questão de tatuar tais sobre todo o seu corpo, deixando apenas um espaço em branco destinado a conter o segredo que Langdon irá entregá-lo em troca de Peter Solomon, homem pelo qual Mal'akh nutre um grande ódio.

O objetivo da tatuagem nunca foi a beleza. O objetivo era a mudança. Desde os sacerdotes núbios escarificados de 2000 a.C. até as cicatrizes moko dos maoris modernos, passando pelos acólitos tatuados do culto a Cibele na Roma antiga, os seres humanos haviam se tatuado como uma forma de oferenda, um sacrifício parcial do próprio corpo suportando a dor física do embelezamento e sendo por ele transformados.

Solomon é um homem de prestígio não só por sua carreira no comando dos Museus Smithsonian mas também por fazer parte do grupo de maçons mais poderosos e influentes de Washington. Entretanto, ele é também um homem que sofreu imensas perdas em sua vida, como a morte precoce de seu pai e os trágicos assassinatos de seu filho e de sua mãe. A única pessoa que lhe sobrou foi sua irmã Katherine, que também corre perigo graças a suas pesquisas noéticas.

A ciência noética explora, de forma sucinta, o potencial da mente humana, o que o cérebro, a vontade e a fé podem resultar. O que o ser humano é capaz de fazer, afinal? Quais são os limites? Essas são algumas das poucas questões que Katherine tenta responder. E esse acaba se tornando o aspecto mais interessante de todo o livro.

A grande ironia é que, durante séculos, todas as religiões do mundo incentivaram seus seguidores a abraçar conceitos de e crença. Agora a ciência, que passou muitos séculos desprezando a religião ao considerá-la mera superstição, está sendo obrigada a admitir que sua próxima grande fronteira é literalmente a ciência da e da crença... o poder da convicção e da intenção. A mesma ciência que erodiu nossa fé nos milagres está agora construindo uma ponte para atravessar o abismo que criou.

Passei anos estudando as afirmações dos antigos sobre o incrível poder mental do homem, e agora a ciência está nos mostrando que o acesso a esse poder se dá, na verdade, por um processo físico. Se usado corretamente, nosso cérebro pode invocar poderes literalmente sobre humanos.

Diferenciado-se de seus antecessores, O Símbolo Perdido, deixa muito a desejar no quesito mistérios, a questão que talvez fosse destinada a causar uma das maiores curiosidades da trama acabou sendo muito óbvia desde o início e, portanto, o final ficou sem uma grande reviravolta, característica tão presente na obra de Dan Brown. Entretanto, uma de  suas características continuou muito presente, que é a intelectualidade e dinâmica sempre presentes durante a narrativa.

Mesmo com personagens bem construídos, pontos de tensão e curiosidades muito mais do que interessantes este ainda não consegue ser tudo aquilo que é esperado. Portanto, o livro é, sim, uma boa opção para aqueles que gostam de uma história inteligente e sagaz, mas se o desejado é um grande mistério esta não é a melhor escolha, talvez Anjos e Demônios atenda a demanda. Se o desejo é por uma leitura por pura curiosidade intelectual com toda a certeza vale a pena.

Hoje, os santuários em homenagem aos feitos humanos enfeitavam o National Mall. Os museus Smithsonian transbordavam de invenções e obras de arte, com ciência e ideias de grande pensadores. Eles contavam a história do homem como criador - das ferramentas de pedra no Museu de História Indígena Norte-americana aos jatos e foguetes do Museu Aeroespacial.


19 comentários:

  1. Eu li este livro em 1 dia, acredita? Sou fascinada pela escrita do Dan e adoro seus livros. Adorei sua resenha, me fez relembrar algumas partes e me deixou com vontade de rele-lo! rsrsrsrsrsr

    bjo bjo^^

    ResponderExcluir
  2. Me apaixonei por O Símbolo Perdido e li o livro em muito pouco tempo, praticamente, o devorei. E eu estava no ensino médio. Depois que li esse livro do Dan, peguei todos os outros e li em uma tacada só.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  3. Adoro o autor, só falta ler Inferno que infelizmente ainda não tive a oportunidade.
    Meu favorito é Anjos e Demônios :)

    ResponderExcluir
  4. Eu até hj só li O código da Vinci, mas me apaixonei pelo autor e espero muito ler esse livro.

    ResponderExcluir
  5. Nunca li nada do Dan Brown mas já me recomendaram as leituras dos livros dele, irei ler nos próximos meses Anjos e demônios.
    Gostei da resenha!

    ResponderExcluir
  6. Tenho o livro e por falta de tempo e um pouco de preguiça ainda não li, acho que essa expectativa sobre cada livro lançado pelo Brown é normal, devido ao grande sucesso e complexidade de suas obras, sou muito fã e aos poucos estou comprando todos os outros livros, gosto do modo como ele narra a história, envolvendo o Langdon nas mais inusitadas situações e com saídas mirabolantes,achei muito interessante a parte da maçonaria, já havia lido algo sobre isso e já nem lembrava mais, incrível o trabalho de capa não só desse mais de todos os livros do Dan Brown, fantásticos, e sobre o protagonista é cada amizade desse professor de Harvard que também vamos combinar...

    ResponderExcluir
  7. Já li O simbolo perdido e fiquei fascinada com a escrita do autor. É misterioso e a leitura é bem rápida, você aprende muitas coisas ao ler o livro e depois que eu acabei eu fiquei uns dias sem ler ada, só pensando no que tinha acabado de ler! (e eu ainda tenho um pouco de culpa gargada porque o livro era emprestado e eu peguei uma chuva e molhou o livro todo :/ )

    ResponderExcluir
  8. (bom, eu pelo menos achei o livro misterioso, para mim não ficou nada óbvio, não li os livros anteriores mas se você diz que os anteriores foram mais misteriosos, não posso discutir! bjs.)

    ResponderExcluir
  9. Olha, apesar de gostar de Dan Brown, não curto os livros e dou preferencia ao lfilmes... não consigo explicar hahahahahah

    ResponderExcluir
  10. Eu li Codigo da Vinci e gostei muito, esse está na fila das próximas leituras.
    Acho inteligente a escrita de Dan e darei uma chance ao livro...
    Gostos são diferentes né, vai que eu gosto...
    Mas entendi seu ponto de vista!

    Beijinhos
    Sou eu... Pri!

    ResponderExcluir
  11. Ai gente, sério, não gostei do livro. Alias, acho que não posso afirmar isso, porque nem consegui terminar de lê-lo! achei muito chato, confuso, e mil e outros defeitos. Acabei trocando ele no livralivro, e não me arrependi.

    ResponderExcluir
  12. Dan Brown é maravilhoso. Adoro esse gênero e ele escreve fabulosamente bem. Todos os livros dele estão na minha lista de desejo, pois li apenas Fortaleza Digital e gostei. As adaptações para o cinema ficam devendo, mas eu acho válida a intenção e a visibilidade que acarreta para os livros.

    ResponderExcluir
  13. Acho que sou a única pessoa do mundo que ainda não leu nada de Dan Brown, e mais que isso: não tenho nenhuma vontade de ler. Ok, algumas vezes de tanto falarem bem vem aquela vontadezinha, mas passa rápido. O enredo não me chama a atenção, talvez se eu ler eu morda a língua. rs Mas uma coisa é fato, achei interessante o fato dele mostrar/revelar uma cidade diferente, apesar de ser bem conhecida. Se um dia me presentearem, lerei. Mas caso contrário, não iria comprar.

    ResponderExcluir
  14. Eu li quase todos os livros de Dan Brown , só falta ler "Ponto de Impacto". Dan Brown é um escritor maravilhoso , é um dos meus favoritos , mas , infelizmente , as obras dele parecem estar caindo muito. O último livro dele que li , foi " Inferno", não sei porque , mas eu tive que me "esforçar" pra continuar a ler , o livro parecia não me prender mais..
    Em "O símbolo perdido" , eu mal conseguia parar de ler , é um livro maravilhoso.. só perde pra "Anjos e demônios" mesmo , que é o meu livro favorito do autor!
    E-mail: juliamariamoraes2013@gmail.com
    Nome de seguidor: Julia Moraes

    ResponderExcluir
  15. Já tinha lido uma resenha sobre esse livro, e apesar da sua resenha ter sido ótima ainda não me fez muda de opinião sobre o livro e o gênero dele por isso vou falar a mesma coisa que sempre falo.Eu nunca li nada do autor antes, e pelo que eu li da resenha o livro parece ter suspense, mistério, um pouquinho de drama se eu não estiver enganada eu não sei, e como a própria sinopse disse o livro trás temas como ciência noética, teoria das supercordas e grandes obras de arte, nos desafiando a abrir a mente para novos conhecimentos. Admito que nunca li livros assim pois eles não costumam me chama tanta atenção, acho que eu sou mesmo mais dos romances, mais eu adorei sua resenha e achei muito legal e até fiquei pensado que esse livro daria um bom filme, se ele virasse filme com certeza eu iria assisti-lo, acho que gêneros assim eu prefiro que vire um bom filme para se assistir, posso até esta enganada mais essa é minha opinião.

    ResponderExcluir
  16. gostei do Dan Brown em Ponto de Impacto - livro a qual tenho e gosto muuuito - mas, em O Simbolo Perdido, não me agradou muito, pelo menos não no começo. Achei uma leitura cansativa e desinteressante. Talvez eu leia um dia, mas não está na minha lista de cobiçados.

    ResponderExcluir
  17. Eu não tinha me interessado muito pelo livro, não, mas essa resenha me animou um pouquinho (:
    Otima resenha s2

    Acho que já falei, mas não to comentando porq to sem pc e no cel os comentários não estão indo, eu só leio lá :// Mas sempre que eu conseguir entrar por algum computador eu comento aqui <3

    Bjs
    inspiration-tatis.blogspot.com

    ResponderExcluir
  18. Nunca li nenhuma obra deste autor, mas é claro já assisti o filme O Código da Vinci não consegui me senti motivada a ler os livros dele e olha que não é por falta de oportunidade.Mas sabe eu acho que antes de criticar as suas obras eu deveria ler alguma.Após esta increvel sinopse vou arrumar animo e lerei este ou outra obra do autor Dan Brown.

    Beijinhos!!!

    ResponderExcluir
  19. Infelizmente esse não é o tipo de livro que me chama atenção, já vi vários comentários positivos sobre esse autor mas nunca tive realmente interesse em ler algo dele... quem sabe um dia eu não dê uma chance, e tirar minhas conclusões!

    Beijo

    ResponderExcluir